AMIGOS

 

Pérola Bensabath 
EXCLUSIVIDADE
SSA, 10-04-2006.

Quero ficar bonita
e me emplumar de alegria.
Derramar o ciúme do cálice
e deixá-lo escorrer entre cristais.
  
(prá os olhos do meu bem
não olhar prá ninguém).
 
Quero corpo malhado
e roupa vistosa.
Usar artifícios
ou te beijar sem batom.
Amassar os lençóis
e retocar maquiagem.

Quero te amar em lampejo
e te trazer prá mim.
Quero colorir os cabelos
e me fazer de dengosa.
Te ofertar guloseimas
escrever bilhetinhos
e te fazer feliz!

(prá os olhos do meu bem
não olhar pra ninguém).


PROVISORIAMENTE
(Para Ju, filha caçula)

(Você diz que sou arauto de amores).
Hoje não usarei romantismo,
não falarei de flores
(provisoriamente).
Mente e corpo dardejam chamas
(não debeladas).
 
Cá do meu canto percebo...
a traça que rói o papel,
o pássaro que bica a maçã
e eu... mordendo a vida
qual romance de cordel!
 
Mordeduras, roeduras, bicaduras
dilaceram, magoam, arranham
cárceres, redomas e lágrimas
(que enfeitam realidades duras).
 
Proscrita, prescrita, prevejo
(o segmento de uma trilha).
E sinto o cheiro profético
acre e inconfundível
(do percevejo fétido).
 
Hoje, provisoriamente, filha
não cantei as flores
e não poetizei os amores