AMIGOS

 

O AMOR AINDA SOBREVIVE AO TEMPO
     Patrícia Neme
     Palmas, 03/10/2007

    
     Não há no Tempo o bálsamo perfeito
     para amainar a dor de uma saudade;
     para apagar o amor que jaz no peito
     de quem pensou haver fidelidade
      
     na voz gentil, no olhar, no meigo jeito
     dos versos celebrando a eternidade
     do bem querer em flor. Amor-perfeito
     em rimas de promessas sem verdade.
      
     O Tempo... Ah! Esse Tempo que não finda
     toda paixão que me acalenta, ainda...
     E embala meu sonhar em vão lamento!
      
     Nem Tempo ou novo alguém têm a magia
     que faz adormecer a nostalgia
     deste sentir jogado ao léu, ao vento!


A UM POETA - Patrícia Neme


Quem é esse que, em versos, minh´alma desperta
e que a faz se perder em mil tramas de amor?
Como pode entender a carência encoberta
e meu sonho mais caro em soneto compor?

Quem me vê tão desnuda e nas rimas me oferta
os anseios perdidos nas brumas da dor?
Quem me sabe encontrar de maneira tão certa...
Quando eu não mais ousava venturas supor?

Quem me faz suspirar, quem meu peito acelera,
onde está esse alguém, que me exila na espera...
No desejo, saudade... Onde achá-lo, afinal?

Ah!, Poeta... Eu quisera, de ti ser a musa,
em teus braços viver para sempre reclusa,
embalada ao cantar de gentil madrigal!